22 733 40 60 | 927 810 738 Rua do Passal, №1, Anta, Espinho
08h00 - 20h00
Sobre a USF
Quem Somos

Somos uma equipa de 7 Médicos, 7 Enfermeiros e 5 Secretários Clínicos altamente motivados para servir melhor.

Contamos consigo, para que, todos juntos, possamos ter mais e melhor acesso à saúde.

Missão, Visão e Valores

Missão

Prestação de cuidados de saúde de excelência, com rigor técnico e científico, com respeito pela humanidade, autonomia, responsabilidade e confidencialidade, que se traduza na satisfação plena dos utentes e profissionais.

Visão

Sermos uma USF de referência pela prestação de cuidados de saúde, de 1ª linha, personalizados, garantindo boa acessibilidade, continuidade dos cuidados prestados e abrangendo os contextos sócio-familiares dos utentes, tendo em conta a utilização racional e eficiente dos recursos.

Valores

  • Qualidade
  • Proximidade
  • Humanização
  • Ética
  • Credibilidade
  • Inovação
  • Eficiência
Área de Abrangência

A USF Anta presta cuidados de saúde aos utentes inscritos.

Os cuidados domiciliários de enfermagem e/ou médicos serão prestados exclusivamente aos utentes residentes na área de abrangência da USF Anta:

  • A norte: S. Félix da Marinha
  • A sul: Silvalde
  • Nascente: Nogueira da Regedoura/S. Paio de Oleiros
  • Poente: Espinho
Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes
  • O conhecimento dos direitos e deveres dos doentes, também extensivos a todos os utilizadores do sistema de saúde, potencia a sua capacidade de intervenção activa na melhoria progressiva dos cuidados e serviços.A Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes representa, assim, mais um passo no caminho da dignificação dos doentes, do pleno respeito pela sua particular condição e da humanização dos cuidados de saúde, caminho que os doentes, os profissionais e a comunidade devem percorrer lado a lado.

    DIREITOS DOS DOENTES

    1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana.

    2. O doente tem direito ao respeito pelas suas convicções culturais, filosóficas e religiosas.

    3. O doente tem direito a receber os cuidados apropriados ao seu estado de saúde, no âmbito dos cuidados preventivos, curativos, de reabilitação e terminais

    4. O doente tem direito à prestação de cuidados continuados.

    5. O doente tem direito a ser informado acerca dos serviços de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados.

    6. O doente tem direito a ser informado sobre a sua situação de saúde.

    7. O doente tem o direito de obter uma segunda opinião sobre a sua situação de saúde.

    8. O doente tem direito a dar ou recusar o seu consentimento, antes de qualquer acto médico ou participação em investigação ou ensino clínico.

    9. O doente tem direito à confidencialidade de toda a informação clínica e elementos identificativos que lhe respeitam.

    10. O doente tem direito de acesso aos dados registados no seu processo clínico.

    11. O doente tem direito à privacidade na prestação de todo e qualquer acto médico.

    12. O doente tem direito, por si ou por quem o represente, a apresentar sugestões e reclamações.

     

    DEVERES DOS DOENTES

    1. O doente tem o dever de zelar pelo seu estado de saúde. Isto significa que deve procurar garantir o mais completo restabelecimento e também participar na promoção da própria saúde e da comunidade em que vive.

    2. O doente tem o dever de fornecer aos profissionais de saúde todas as informações necessárias para obtenção de um correto diagnóstico e adequado tratamento.

    3. O doente tem o dever de respeitar os direitos dos outros doentes.

    4. O doente tem o dever de colaborar com os profissionais de saúde, respeitando as indicações que lhe são recomendadas e, por si, livremente aceites.

    5. O doente tem o dever de respeitar as regras de funcionamento dos serviços de saúde.

    6. O doente tem o dever de utilizar os serviços de saúde de forma apropriada e de colaborar activamente na redução de gastos desnecessários.
    VERSÃO COMPLETA EM PDF

Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos Utentes do SNS
  • Foi publicada, dia 26 de Dezembro, a Portaria n.º 1529/2008 que  fixa os tempos máximos de resposta garantidos (TMRG) para o acesso a cuidados de saúde para os vários tipos de prestações sem carácter de urgência e publica a Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos Utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS).Este diploma surge na sequência da Lei n.º 41/2007, de 24 de Agosto, que define os termos a que deve obedecer a redacção e publicação da Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos Utentes do Serviço Nacional de Saúde. Através dela pretende-se garantir a prestação dos cuidados pelo SNS e pelas entidades convencionadas num tempo considerado aceitável para a condição de saúde de cada utente e assegurar o direito dos utentes à informação sobre o tempo de acesso.Consulte aqui:Recomendação TMRG